sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Amor é isso ou aquilo?


O amor é uma onda
Ou um mar repleto delas?
É um vai e vem infinito
Ou o mar que traço em aquarela?
É estático como foto
Ou movimento de muitos agoras?
É tarde fria que me abraça
Ou lágrima no olhar que vai embora?

domingo, 30 de outubro de 2016

FASES DE UM POETA...

O amor arde em prantos a cada desencanto
A paixão arde em cada novo romance
O poeta só surge enquanto padece
E não tarda a sumir quando morre [de amor]
Ou vive em um sentimento [que não descreve].

sábado, 26 de março de 2016

Desespero do tempo...

Nós não matamos o tempo, Oh infâmia
É o tempo que nos mata
Mata até nossas saudades sensatas
Embora não mate a terra e nossa terna infância

Mata os amores e nos desespera
A juventude que nos puja esperança
Mata as conquistas secundárias
Menos os amores de infância

E de amor em amor o tempo nos seca
A ritmia do nosso coração perde o ritmo
Não se tem mais o amor ínfino
E a solidão nos acolhe, a nossa dócil quimera

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

NÃO HÁ AMOR QUE SEJA SÓ VERÃO...


Amores não vêm e vão
Não podem ser tão frios quanto o inverno
Nem tão quentes como o verão
Amores são mais que extremos
Amores são todas as estações.

Amor não é a indiferença fria
Nem a paixão ardente
Amor é o que nos faz sorrir em um dia
E carregamos pra sempre no coração

sábado, 12 de dezembro de 2015

CORAÇÃO INQUIETO...

















"Coloco o menino no quarto, ele chora.
Coloco na sala, ele chora.
Coloco na varanda, chora.
Aí coloco ele na estante e ele fica rindo até a orelha!"

É tudo uma questão geográfica
E eu sou como esse menino
Inquieto até que o destino me colocou junto a você
Meu sorriso agora vai de orelha à orelha.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Quanto tempo será que demora um mês pra passar?



"A vida inteira de um inseto
Um embrião pra virar feto
A folha do calendário
O trabalho pra ganhar o salário..."

Tudo que sei é que nada retira a minha incompreensão e a minha alegria sobre esse último mês, ou melhor, sobre os últimos 30 dias. É meio maluco uma estranha (uma linda estranha) bater à sua porta e imediatamente vocês estarem sentados no sofá conversando sobre como irão fugir para a Suíça juntos... É mais estranho ainda que logo na primeira conversa vocês já passem várias horas conversando pela internet com a maior vontade de prolongar a conversa além do sono. E não foi apenas um dia. Foram quase todos os dias de conversas constantes, e cada vez mais cheias de inquietações, carinho e sinceridade. Por uma coincidência nos conhecemos, mas não foi por coincidência que continuamos com tamanha sintonia. Foi por persistência, porque às vezes o coração só quer soluçar, descansar e matar a carência. Mas não foi apenas um soluço. Foi o começo de algo que me trouxe uma paz inexplicável, um mês que restaurou uma forma diferente de enxergar a vida, uma outra chance de não deixar os sentimentos bons acabarem como o último copo da bebida mais cara. Não estou celebrando um mês de algum contrato de relacionamento, estou celebrando um mês que um dos sentimentos mais belos que já senti resolveu bater à minha porta e eu o deixei entrar, em vez de fugir assustado.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

COINCIDÊNCIA OU DESTINO?

- Esse show foi o melhor que eu já fui, não conheci ninguém em especial lá, mas foi por causa desse show que eu cheguei até você, ou melhor, que você apareceu no meu caminho... Se eu não tivesse ido, não teria tirado aquela foto com cara estranha, e então você não teria visto uma foto marcada no perfil de um amigo nosso em comum e não teria me adicionado.

- Tinha que acontecer isso tudo ou eu nem saberia que você existe. Nem sei se é o destino... não sei... acredito muito nisso. Foi algo inesperado e uma das coisas mais incríveis que aconteceu comigo nesse ano.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

ENTRE A INTENSIDADE E O RECEIO...

Caros leitores, Shakespeare já nos alertara que nossas dúvidas são traiçoeiros e nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar se não fosse o simples medo de arriscar. Há um abismo que separa os sonhos da realidade, mas um abismo amortecido de colchões de ar, espumas e nada mortal. Temos de cair, mas não é cair em busca da morte, mas cair em busca da vida, do amor. A ideia dos sentimentos mais fortes não é simplesmente atravessar o abismo, é cair primeiro em busca das emoções. Geralmente temos esse receio após passarmos por decepções amorosas... e eu que o diga, já tenho até um livro em construção sobre decepções amorosas. rsrs. Tenho esse receio, confesso. Digo isso porque essa semana cheguei na beira do abismo de mãos dadas com a aquariana, olhamos para baixo, nos assustamos, e soltamos as nossas mãos. Recuamos. Conversamos e conseguimos nos dar as mãos novamente. Acabei descobrindo que por mais que tenhamos maturidade e controle sob nossos sentimentos, eles não são o carrossel do parquinho. Nossos sentimentos são a montanha-russa do maior parque de diversão. E é difícil manter o equilíbrio. É difícil perceber que encontrou alguém bastante especial e no dia seguinte achar que a pessoa não é tão especial assim. Porém, é quando os dias vão se passando e as conversas continuando, que percebemos que realmente não se pode tomar decisões a partir dos dias ruins e nem dos dias bons. É preciso analisar tudo. E foi nesses últimas dias que estou começando a perceber que encontrei alguém diferente, capaz de não desistir fácil das coisas, mas com os mesmos medos tolos que eu. Precisamos confiar mais em Shakespeare e menos nas nossas dúvidas.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Um peixe encantado por um belo aquário...

De repente eram 3h da manhã, de uma conversa que durara horas. Era tarde, mas era difícil desligar o computador e ir dormir. Creio que seria difícil para qualquer pessoa que encontrasse alguém cuja conversa se encaminhasse cada vez mais amorosa. Amorosa em que sentido? Não sei. Era uma conversa sincera, despretensiosa (ou quase, talvez com as melhores pretensões possíveis), divertida. E o sono era forte, às vezes parecia vencer a curiosidade de querer conhecê-la mais. O sono perdeu várias batalhas, até vencer a guerra. Nos despedidos com um até logo, mas achei que a encontraria no dia seguinte. Logo após desligar o computador, relutei em ligar o celular e procurá-la novamente. Resisti. Fui dormir em paz, com um meio sorriso no rosto, como se eu tivesse descoberto algum segredo da felicidade ou a luva perfeita para a minha mão. Acordei com meu pensamento na aquariana, veja só! Você pode achar "own, que bonitinho!", mas não é. É assustador. Assustador porque poderia ser uma ilusão. Assustador porque ela era de outra cidade e era linda. E você talvez imagine o quanto mulheres lindas são perigosas!... Me lembro que marcamos de fugir para a Europa (uma brincadeira boba, mas que seria um sonho que eu gostaria e lutaria facilmente para realizar, caso ela aceitasse o meu amor e retribuísse de forma recíproca...). E aqui estou eu, ansioso, depois de um dia sem notícia da aquariana que me fascinou, esperando que ela apareça novamente e mande notícia. Preocupado com uma garota que não é minha, vejam só? Sorte minha é parecer que ela não é de ninguém. E talvez o leitor indague "Mas se ela é de outra cidade, talvez não dê certo". O que são 2h de viagem em detrimento de algo que possa terminar em um belo e duradouro final feliz? Nada... E o peixe nada. Nada pelo mar, enquanto apaixonado pelo aquário, imagina fazer morada e viver molhado em suas límpidas águas, contemplando a beleza de toda a transparência e profundidade que a aquariana demonstra ter.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Menina que en-canta

O que queres que eu te diga
Se os meus olhos já revelam tanto
Se meu sorriso é de puro encanto
O que queres que eu te diga

Andei por tantas vias
Tantas estradas esquecidas
Enquanto isso eu via
Você ali tranquila
Menina, calada, decidida
Sorrindo, maquiando a face triste
Caindo em pranto e rindo da vida

E meus dedos, calejados e insensíveis
Criam notas, se sacrificam
Para fazer sentir quem nada sente
Vejo teu medo soar no violão
Vejo tua vida se acalmar em minhas mãos
Enquanto toco, te procuro, admirado
Tentando tocar teu coração...